quinta-feira, 21 de junho de 2012

Péssima maratona de São Paulo, e sem treinos.

Foi uma prova horrível, para esquecer. Cheguei na hora, saí correndo num ritmo confortável, uns 5:30min/km. Nos 2 primeiros km há muita gente, então passei mais lento, acabei compensando alguns kms depois (5:10min/km em vários momentos). No km23, já comecei a sentir algum desconforto, o que não é normal. No km 26, já estava desagradável. No km 28, as cãimbras começaram. E só foram piorando. No km30, andei pela primeira vez, para tentar fazer as cãimbras pararem. Só piorou. Fui até o km 34 num andar/trotar lento (acima de 10min/km) só pensando em chegar em casa. No km 36, tinha um pessoal dando umas laranjas espetaculares, caiu muito bem. Nessa hora, além de cãimbras, tava me sentindo muito mal. No km 38, saída do túnel da Juscelino, chamei um taxi. Tava um trânsito enorme, e então lembrei que minha roupa estava no guarda-volume da chegada. Resolvi ir até o fim. Andei mais um pouco, aí entrei num posto de gasolina no km 39, comprei uma coca-cola, e voltei no meu caminhar. As cãimbras não paravam, eram todos os músculos das duas pernas, e se eu tentava parar e sentar, doía até a alma. Surpreendentemente, no km40, as cãimbras pararam subitamente. Os músculos doíam muito, por terem ficado com as cãimbras por 1 hora, mas não era cãimbras, e isso faz toda a diferença. Encontrei um amigo, o Molica, e fomos correndo os 2 últimos kms. Não estava nem um pouco cansado, só muito, muito dolorido nas pernas. Cruzei a linha em 4h45minutos, absolutamente de saco cheio e achando que as pernas teriam de ser cortadas, de tanto que doíam. Fui para a barraca da RACE, tinha 2 fisioterapeutas lá, que tentaram fazer algo com as pernas. Na maca, as cãimbras voltavam, tive que ir para o chão. Depois de uns 20 minutos, eles fizeram o que puderam, pelo menos dava para andar. Peguei um táxi e vim para casa. Até agora não corri de novo. Desânimo total. Não estou dormindo muito à noite, por conta do nenê. Antes da maratona, fiquei 2 semanas sem treinar (fora um trote num dia), não estava descansado, não me alimentei direito. Mas a performance na maratona de São Paulo foi muito, muito ruim, porque não tive pernas. Sei lá o que fazer. Penso depois.

1 comentários:

Xampa disse...

Edu,
acho que vc fez o que deu. Treinar para uma maratona com o nascimento do filho? Muito complicado.
Não que o seu plano estivesse fadado ao fracasso. Longe disso.
Fora isso, com noites mal dormidas.
Eu sei pq passei por isso em fevereiro. Sobreviver a essa avalanche já é muito bom.
Parabens por terminar a prova.
Não precisa nem refletir. Vc fez o que deu.
Abs