sábado, 6 de agosto de 2011

Resultado da ressonância

Pois é, tentei correr, mas a dor continuava. Sábado, depois de chegar de viagem, corri 6km lento. Nenhum problema, só um incômodo no local (coxa, bem próximo à virilha direita). No domingo, corri pela rua, lento também. Até encontrei o Marião no caminho, papo ótimo. Mas uma leve dor apareceu durante a tarde.
Segunda descansei, terça fiz 1 hora de spinning no clube, quarta corri 1 hora na pista de atletismo do Centro Olímpico (agradabilíssimo, muita gente da RACE treinando), e a dor continuou.
Por isso, resolvi fazer a ressonância magnética de coxa e de quadril na quarta à noite, foi das 10:30 à meia-noite, e o resultado sairia na sexta.
Quinta fiz spinning de novo, 1 hora, e sexta descansei.
Bom, sexta à noite saiu o resultado da ressonância.

RESSONANCIA MAGNETICA, QUADRIL, UNILATERAL - DIREITO OU ESQUERDO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO QUADRIL E COXA DIREITOS

Método:

Exame realizado com sequência FSE com cortes multiplanares de 4 mm de
espessura.

Análise:

Discreta entesopatia junto à origem do adutor longo direito no ramo
púbico, com tênue edema dos planos peritendíneos, porém sem sinais de
roturas ou de retrações.

Edema do plano que se interpõe entre o trocanter maior e o trato
iliotibial, característico de área de atrito.

Destaca-se edema na região periosteal da face posteromedial da região
diafisária proximal do fêmur, adjacente à inserção do adutor curto,
apresentando também discreto edema da medular óssea adjacente e dos
planos miofasciais, achado este característico de área de tração
periosteal da inserção tendínea ("tigh split").

Não há sinais de avulsões ósseas.

Demais estruturas ósseas e regiões periosteais íntegras.

Feixes vasculonervosos livres.

Pequeno aumento da quantidade de líquido intra-articular do quadril.

Discreta hipertrofia óssea da transição anterolateral entre a cabeça e o
colo femoral.

Lábio acetabular íntegro.

Ligamentos intrínsecos e extrínsecos preservados.


Evidentemente não entendi nada, e fiquei desesperado. Liguei para o Clauber, ortopedista, triatleta e amigo (e agora santo), que pelo menos me explicou que tive uma lesão chata, que demora uns 3 meses para curar (já estou há 40 dias com o incômodo, desde a prova de 25km), e que devo ser examinado na semana que vem para saber exatamente o que há e quanto tempo para sarar completamente. Mas me liberou para correr LENTO, com passos curtos, sem nenhum exercício de velocidade por enquanto. Posso usar a bike também.
Hoje fui para a USP, mais tranquilo, e corri 1h20min, bem lento. O legal foi reencontrar o Jefferson, amigo que começou um blog de triatlo Triathlon na Rede e é uma ótima companhia de treinos!

É minha primeira lesão em muitos e muitos anos, nunca tinha tido nada além de uma fascite plantar em 1997., curada com acupuntura.
Acho que é a idade, chegou a hora de me cuidar e me preservar um pouco mais.
De qualquer forma, vou fazer os 21km da Asics Golden Four amanhã :)

2 comentários:

Rafael Pina Pereira disse...

Fala Carlos !
Também fiquei apavorado qdo peguei uma ressonância do joelho (que ainda bem, não era NADA). Os termos são os mais simples possível, coisa bem clara, hahaha.

Boa sorte na meia !

Xampa disse...

que não seja nada !!!!
melhoras !!!